quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

NATAL - SABIAS QUE...

Sabia Que...


Natal 
todos os dias

  • A quadra natalícia não se resume a um ou dois dias, mas sim aos 12 dias que se situam entre o Natal e o dia de Reis, já na Época Medieval assim o era;

  • Os postais de Natal surgiram em 1843, o seu criador foi John Callcott Horsley, este criou o primeiro postal de Natal a pedido de um amigo;

  • Os pratos de Natal têm origem Medieval. Cada país tem as suas comidas tradicionais para o Natal, sendo grande parte destas são feitas com frutos secos, já que estes eram uma especialidade de Idade Média;Feliz 
  Natal!

  • O azevim era uma planta sagrada para os druidas, na cultura celta.

  • Em alguns países são atribuídos nomes às renas que puxam o trenó do Pai Natal. Na tradição anglo-saxónica existem oito renas: Dasher, Dancer, Prancer, Vixen, Comet, Cupid, Donder e Blitze. Posteriormente, acrescentou-se uma outra rena de nome Rodolfo, esta tem a particularidade de ter um nariz vermelho que brilha, logo ela é a rena que lidera no trenó, já que consegue iluminar o caminho. A criação de Rodolfo deu-se em 1939, para um anúncio de Montgomery Ward Company.

O PRIMEIRO POSTAL DE NATAL

O Primeiro Postal De Natal


O primeiro postal de Natal

O primeiro postal de Natal surgiu na Inglaterra, pelas mãos do pintor John Callcott Horsley (1817-1903), em Dezembro de 1843, a pedido de Sir Henry Cole (1808-1882), director do South Kensington Museum (rebaptizado, em 1899, de The Victoria and Albert Museum).

Sir Henry Cole era assistente no Public Records Office, para além disso era escritor e editor de livros e jornais. Cole escreveu livros sobre arte e arquitectura sob o pseudónimo de Felix Summerly, e fundou o jornal The Journal of Design. Este possuía, ainda, o Summerly's Home Treasury, através do qual eram publicados livros infantis, de entre as histórias publicadas contam-se "Cinderela", "João e o pé de feijão" e  "A Bela e o Monstro", entre outros.

Sir Henry Cole com o seu cão, cartoon, de  1871,da Vanity FairNo Natal, Sir Henry escrevia cartas aos seus familiares, amigos e conhecidos, desejando-lhes Boas Festas. Contudo, devido ao seu trabalho, este tinha pouco tempo para escrever tantas cartas. Assim , ele (tal como todas as outras pessoas que escreviam cartas de Boas Festas) comprava papel de carta decorado com motivos natalícios ou então, comprava postais de festas genéricos, nos quais se podia acrescentar a festa de que se tratava. Perante isto, Sir Henry pediu a  Horsley para lhe criar um postal com uma única mensagem que pudesse ser duplicada e enviada a todas as pessoas da sua lista.

A primeira edição destes postais foi colorida à mão, nestes podia ver-se uma família a festejar com a legenda "Merry Christmas and a Happy New Hear to You" (Feliz Natal e um Próspero Ano Novo para ti). Estes foram impressos num cartão por Jobbins de Warwick Court, Holborn, Londres, sendo, posteriormente, pintados à mão por um profissional de nome Manson. Estes foram publicados no "Summerly's Home Treasury Office, 12 Old Bond Street, Londres", pelo seu amigo e sócio Joseph Cundall.

Os postais que não foram utilizados po Sir Henry, venderam-se na Summerly's por 1 xelim. Segundo Cundall venderam-se muitos postais, cerca de 1000. Actualmente, só existe por volta de uma dúzia destes postais originais,  um desses  foi leiloado em 24/11/2004, sendo vendido por £22,500 (foi enviado por Sir Henry Cole  para "Granny and Auntie Char"), como estava assinado pelo próprio Sir Henry Cole, este postal é extremamente raro e valioso.

Estes postais ilustravam uma família em festa durante o Natal e brindavam ao seu amigo ausente (ao qual o postal era dirigido) com um copo de vinho tinto. Em cada um dos lados do postal tinha imagens de actos de caridade "vestir os desnudados" e "alimentar os pobres". Contudo, a imagem central da família brindando causou grande controvérsia, sendo alvo de várias críticas já que ver crianças a beber um pouco de vinho era considerado como um fomentar da corrupção moral nas crianças. Perante isto, os postais foram  retirados de venda.

Segundo a lenda, no ano seguinte, Sir Henry não usou o método dos postais para fazer os seus votos de Boas Festas aos seus amigos, mas mesmo assim o hábito de enviar postais de Natal rapidamente se espalhou não só por toda Inglaterra, mas também um pouco por todo o mundo.
In:
 http://natalnatal.no.sapo.pt/pag_simbolos/postais.htm 

AS MÚSICAS DE NATAL

As Músicas de Natal


Natal todos os dias

A Igreja Católica sempre deu muita importância à música. As músicas de Natal surgiram devido aos esforços católicos de retirar importância às músicas e danças pagãs As primeiras músicas de Natal surgiram no século IV e ainda hoje são cantadas. No século XIX, surgiram muitas melodias de Natal de origem pagã.
Feliz Natal
Cada país tem as suas próprias canções, uma das mais populares é a canção inglesa “White Christmas” escrita por Irving Berlin em 1942, mas não é a única temos ainda o exemplo de “Silent Night, Holly Nigth” composta na Áustria por Franz Grubet no século XIX, “Jingle Bells”, entre muitas outras.
Portugal também tem as sua músicas de Natal, a mais conhecida é “Adeste Fidelis”, que tem a particularidade de estar escrita em latim. Aliás a fama desta música fez com se que se criasse uma versão sua em inglês, a também famosa “O Come, All Ye Faithful”.

 In: 
http://natalnatal.no.sapo.pt/pag_simbolos/musica_hist.htm 

O SIGNIFICADO DO NATAL

O Significado Do Natal


O Natal surge como o aniversário do nascimento de Jesus Cristo, Filho de Deus, sendo actualmente uma das festas católicas mais importantes.
Inicialmente, a Igreja Católica não comemorava o Natal. Foi em meados do século IV d.C. que se começou a festejar o nascimento do Menino Jesus, tendo o Papa Júlio I fixado a data no dia 25 de Dezembro, já que se desconhece a verdadeira data do Seu nascimento.

Uma das explicações para a escolha do dia 25 de Dezembro como sendo o dia de Natal prende-se como facto de esta data coincidir com a Saturnália dos romanos e com as festas germânicas e célticas do Solstício de Inverno, sendo todas estas festividades pagãs, a Igreja viu aqui uma oportunidade de cristianizar a data, colocando em segundo plano a sua conotação pagã. Algumas zonas optaram por festejar o acontecimento em 6 de Janeiro, contudo, gradualmente esta data foi sendo associada à chegada dos Reis Magos e não ao nascimento de Jesus Cristo.

O Natal é, assim, dedicado pelos cristãos a Cristo, que é o verdadeiro Sol de Justiça (Mateus 17,2; Apocalipse 1,16), e transformou-se numa das festividades centrais da Igreja, equiparada desde cedo à Páscoa.
Apesar de ser uma festa cristã, o Natal, com o passar do tempo, converteu-se numa festa familiar com tradições pagãs, em parte germânicas e em parte romanas.

Sob influência franciscana, espalhou-se, a partir de 1233, o costume de, em toda a cristandade, se construírem presépios, já que estes reconstituíam a cena do nascimento de Jesus. A árvore de Natal surge no século XVI, sendo enfeitada com luzes símbolo de Cristo, Luz do Mundo. Uma outra tradição de Natal é a troca de presentes, que são dados pelo Pai Natal ou pelo Menino Jesus, dependendo da tradição de cada país.
Apesar de todas estas tradições serem importantes (o Natal já nem pareceria Natal se não as cumpríssemos), a verdade é que não nos podemos esquecer que o verdadeiro significado de Natal prende-se com o nascimento de Cristo, que veio ao Mundo com um único propósito: o de justificar os nossos pecados através da sua própria morte. Nesses tempos, sempre que alguém pecava e desejava obter o perdão divino, oferecia um cordeiro em forma de sacrifício. Então, Deus enviou Jesus Cristo que, como um cordeiro sem pecados, veio ao mundo para limpar os pecados de toda a Humanidade através da Sua morte, para que um dia possamos alcançar a vida eterna, por intermédio Dele, Cristo, Filho de Deus.

Assim, não se esqueçam que o Natal não se resume a bonitas decorações e a presentes, pois a sua essência é o festejo do nascimento Daquele que deu a Sua vida por nós, Jesus Cristo.




In:

http://natalnatal.no.sapo.pt/pag_simbolos/significado_natal.htm

Um mini Big Bang na Europa







Um mini Big Bang na Europa

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

CINEMA NA BIBLIOTECA

Nesta última semana de aulas antes do Natal, a biblioteca tem estado a organizar sessões de cinema. Os filmes escolhidos são atuais e sempre de grande interesse pedagógico e/ou curricular. Para assistir a uma sessão é necessária a inscrição realizada previamente pelo professor interessado. Entre os filmes selecionados pela equipa da biblioteca encontram-se os seguintes:



Defeito não é







Defeito não é

A locução "por defeito" é uma tradução errada da expressão inglesa "by default". O "Cuidado com a Língua!" explica porquê e apresenta alternativas. 

Concurso LER PARA CRESCER

Concurso LER É CRESCER

Nos dias 14 e 15 de dezembro  realizou-se na biblioteca o concurso “Ler é Crescer”, destinado ao 5º e  6º anos,  em articulação com a disciplina de Português e tendo como base livros das metas curriculares para a disciplina de Português.
O livro abordado no 5º ano foi  A viúva e o Papagaio  de Virginia Woolf  e para o 6º ano Ulisses de Maria Alberta Menéres.

Os alunos vencedores foram os seguintes:
5º ano
1º lugar- Diana Lopes, nº 6 do 5º A
2º lugar Guilherme Logarinho, nº 10 do 5ºA
3º lugar  Maria Beatriz Fernandes, nº  18 do 5º B

6º ano
1º lugar- Daniela Bessa, nº 4 do 6º A
2º lugar Maria João Teles, nº 13 do 6ºA

3º lugar  Bento Pinho, nº  5 do 6º D




 


 





 

 


 



 









 











FELIZ NATAL!


AS BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO DE PERAFITA DESEJAM A TODOS UM FELIZ NATAL.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Sophia de Mello Breyner Andresen, poetisa maior

Sophia de Mello Breyner Andresen, poetisa maior

Cravo, o som da história

Cravo, o som da história

Parque Natural do Faial

Parque Natural do Faial

Os Maias: como um romance do século XIX continua atual

Os Maias: como um romance do século XIX continua atual

Contamos a história da animação em Portugal

Contamos a história da animação em Portugal